As últimas semanas têm trazido avanços no combate à pandemia de covid-19, mas a vida normal poderá apenas voltar no inverno do próximo ano. Quem o diz é um dos responsáveis por uma das vacinas mais promissoras contra o novo coronavírus.

Uğur Şahin tem a esperança que a vacina que o seu laboratório está a desenvolver em parceria com a Pfizer possa diminuir a transmissão do vírus para metade, resultando numa "redução drástica no número de casos".

Estou muito confiante que a transmissão entre as pessoas será reduzida por uma vacina tão eficaz - talvez não 90%, mas talvez 50% - mas não devemos esquecer que mesmo isso pode resultar numa redução dramática da propagação da pandemia", disse o cientista, em entrevista à BBC.

Ainda assim, o cientista estima que o impacto de uma nova vacina será sentido no durante o verão de 2021, mas apenas no inverno do mesmo ano é que o mundo regressará ao seu habitual estilo de vida.

As declarações de Uğur Şahin surgem depois do anúncio que a vacina que está a ser desenvolvida pela Pfizer e pela a empresa alemã de biotecnologia BioNTech demonstrou, em dados provisórios, ter uma eficácia de 90% no combate ao vírus.

A BioNTech, em parceria com a Pfizer, ultrapassou algumas das concorrentes mais bem posicionadas na corrida por uma vacina contra a covid-19, colocando Uğur na lista dos 100 mais ricos da alemanha, neste outono.

A farmacêutica norte-americana acredita que vai conseguir fornecer 50 milhões de doses ainda este ano e cerca de 1,3 mil milhões até ao final de 2021. 

Rafaela Laja