Rui Rio reagiu, esta tarde, ao caso Tancos e questionou como é que um ministro não informa um chefe de Governo sobre o que se passa no ministério e, se informa, "como é o mais provável", o primeiro-ministro terá sido "conivente com aquilo que se passou" em Tancos.

"Perante um assunto desta gravidade, um ministro da Defesa não avisa o primeiro-ministro? Não articula com o Governo. Sabemos através da acusação que articulou com o presidente da Comissão Política Concelhia do Porto - também é deputado. Portanto, articula com a concelhia e não articula com o primeiro-ministro do Governo a que ele pertence?", questionou Rui Rio.

Para o líder do PSD, "Costa ou sabe ou não sabe e ambas as hipóteses são muito más", e que caso Costa insistir que teoria de que não sabe"o eleitorado terá de tirar consequências, percebendo que se votar no PS o próximo chefe do Governo é alguém que não tem a capacidade necessária para coordenar ministros e articular tudo – particularmente aquilo que é importante".

"É pouco crível que um ministro não articule aspetos desta gravidade com o primeiro-ministro. Ainda assim, eu nunca poderei dizer que sabia ou não sabia. Nem alguma vez irei julgar semelhante coisa. Ponho é a hipótese então de se não sabia, então como é que funciona o governo? Como é que António Costa pode presidir a um Governo?", afirmou, acrescentando que "um Governo não pode funcionar assim".

O líder do PSD diz ainda que, "se quisermos ir para a hipótese de o ministro não ter avisado o primeiro-ministro, como o primeiro-ministro tem vindo a defender, então nós também temos aqui um problema grave".

"Ou seja, temos um governo em que os ministros não informam o primeiro-ministro de tudo aquilo que relevante, de importante e de grave se passa no respetivo ministério. Se não o fazem no quadro das funções de soberania que estamos a falar, da Defesa Nacional, de material de guerra, e depois do funcionamento da Justiça. Se não o fazem num quadro desta gravidade, como é que então será nos demais ministérios". 

E questionou ainda "o que é que terá acontecido ao longo destes 4 anos dentro do Governo que o primeiro-ministro não soube e o que é que poderá acontecer de importante no futuro num quadro de um Governo presidido por António Costa que António Costa simplesmente não saiba".

Rui Rio diz ainda que acredita que o envolvimento do nome do Presidente da República neste caso terá sido uma encenação da parte "do Governo para que saíssem notícias a tentar por uma cortina de fumo" neste caso.

Dizendo que não leu as "500 e muitas páginas do processo" e que "estamos apenas perante uma acusação", Rui Rio afirmou ainda que "tudo que está escrito na acusação pode não ser tudo verdade e pode não ser tudo provado em tribunal, mas seguramente não é tudo mentira tal é a forma como a acusação está formulada".