Subiu para 15 o números de infetados após o surto de Covid-19 numa fábrica de conservas em Caxinas, um bairro piscatório em Vila do Conde. A informação foi confirmada aos jornalistas pela presidente da Câmara Municipal.

Elisa Ferraz explicou que quatro destes casos estão relacionados com o Centro Paroquial Aver-o-Mar e os restantes têm uma relação direta  aos iniciais sete funcionários infetados.

A empresa Gencoal S.A tem um universo de cerca de 450 colaboradores, dos quais apenas 80 foram testados.

A TVI sabe que os primeiros funcionários a testarem positivo para o novo coronavírus pertencem a dois departamentos diferentes: conserva de salmão e a área de frio. 

Veja também:

Só os colaborados destas secções é que foram testados, todos os restantes continuaram a laborar, uma vez que a fábrica não foi encerrada.

A informação que a autoridade de saúde local transmitiu é que a empresa não se justifica o seu encerramento", esclareceu Elisa Ferraz.

A atividade da Gencoal S.A está vocacionada para a produção e exportação de conservas de sardinha, cavala e salmão.

Entretanto, os responsáveis da fábrica de conservas garantiram ter "a situação sob controlo".

Através de um comunicado, assinado pela administradora delegada Manuela Gilman, a Gencoal SA disse estar a fazer "uma monitorização ativa e quotidiana dos colaboradores, com continua atualização técnica relativamente à evolução da situação".

Comprometemo-nos a assegurar uma informação em tempo real às autoridades de saúde públicas e às organizações sindicais, a fim de compartilhar a evolução de uma situação, que estamos conscientes estar a ser devidamente monitorizada e sob controlo no sentido de proteger os nossos colaboradores, a comunidade local e todos os postos de trabalho", pode ler-se no mesmo texto.

A empresa situada na localidade Caxinas, Vila do Conde, distrito do Porto, que emprega cerca de 450 trabalhadores, confirmou que sete funcionários estão infetados e que cinco deles trabalhavam na mesma secção, garantindo que foram tomadas "medidas imediatas" para evitar a propagação de contágios.

"Quando tomámos conhecimento de um primeiro caso na empresa, procedemos de imediato a um incremento das medidas de segurança em todas as secções da fábrica e nas áreas sociais, nomeadamente refeitório, vestiários e casas de banho. Simultaneamente, desenvolvemos e aplicámos novas medidas de proteção e de prevenção", garantiram os responsáveis da Gencoal.

A empresa assegurou, ainda, que assumiu a realização de testes "aos contactos próximos dos infetados e a todos os trabalhadores que desempenham as suas funções nas áreas onde foram detetados casos positivos" e que continua "a formação do pessoal aos novos procedimentos de higiene e prevenção" que estavam implementados desde o início de março.