Uma mulher foi confundida com a proprietária de um dos abrigos onde morreram mais de 50 animais na sequência de um incêndio em Santo Tirso. A professora da Trofa tem o mesmo nome da dona dos abrigos e já recebeu várias ameaças de morte nas redes sociais.

A juntar às ameaças de morte que recebeu, Alexandra Santos viu serem partilhadas fotografias suas acompanhadas com mensagens de ódio.

Este episódio surge depois de a proprietária de um abrigo ilegal em Canedo, Santa Maria da Feira, também ter sido agredida por populares que tentavam retirar os cães da carrinha em que seguiam.

Além de agredirem a mulher, os ativistas provocaram vários danos na viatura em que esta seguia, tendo mesmo partido alguns vidros com recurso a violência física.

Os voluntários queriam resgatar os cães e verificar quais as condições em que eram mantidos. Apesar do aparato, as autoridades referem que o cenário no local não é tão grave como as denúncias apontavam.

A mulher acabou por apresentar queixa às autoridades por ofensas à integridade física, danos na viatura e furto dos cães.

Desde a última fiscalização feita pelas autoridades, o espaço apresentou melhorias, e a benfeitora da associação afirma que as condições melhoraram.

Já não há animais acorrentados, já não há bebés", explica Marlene Lopes.

Também Marlene Lopes foi alvo de ameaças e ofensas nas redes sociais, e tudo porque ajuda a associação DZG desde janeiro.

Recebi um telefonema a perguntarem se tinha seguro do carro porque o meu seria o próximo a ser vandalizado", acrescenta.

António Guimarães