O Ministério da Defesa está a fazer um levantamento de instalações militares para colocar à disposição em caso de aumento do surto de Covid-19 em Portugal, estando já a realizar obras no Hospital das Forças Armadas do Porto.

Nós temos algumas instalações militares, nomeadamente nos nossos hospitais, com alguma capacidade sobrante e com alguma capacidade de recuperar, a curto prazo, instalações para a utilização, se necessário, de uma população doente maior do que a habitual”, afirmou à agência Lusa o ministro da Defesa, João Gomes Cravinho.

Falando à margem da reunião informal dos ministros da Defesa, que decorre na capital croata, em Zagreb, o responsável indicou que a tutela já fez um “primeiro levantamento” de possíveis infraestruturas para tratamentos relacionados com o Covid-19, que já foi partilhado com o Ministério da Saúde, e vai agora a “avançar com algumas obras para colocar em condições de receber doentes algumas instalações das forças armadas”.

Para já, estamos a olhar para capacidade sobrante no hospital das forças armadas do Porto, que tem um conjunto de salas, é um edifício muito grande, e tem um conjunto de salas que não estão a ser utilizadas neste momento e que, com algum investimento, podemos recuperar”, referiu João Gomes Cravinho.

João Gomes Cravinho adiantou à Lusa que o Ministério da Defesa está, então, a “verificar tudo o que é possível colocar à disposição do Sistema Nacional de Saúde, para contribuir para esforço coletivo, numa situação que pode vir a ser de sobre extensão” das capacidades.

Ainda assim, o ministro vincou que “a primeira preparação diz respeito a todos os portugueses e que é simplesmente seguir as regras higiénicas que estão a ser amplamente divulgadas”.

Nós não sabemos como é que vai evoluir a situação do coronavírus em Portugal ou em qualquer outra parte do mundo, [mas] temos de estar preparados”, concluiu.

O surto de Covid-19, que pode causar infeções respiratórias como pneumonia, provocou mais de 3.200 mortos e infetou mais de 93 mil pessoas em 78 países, incluindo oito em Portugal.

Além dos 3.012 mortos na China Continental, há registo de vítimas mortais no Irão, Itália, Coreia do Sul, Japão, França, Hong Kong, Taiwan, Austrália, Tailândia, Estados Unidos e Filipinas.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou o surto de Covid-19 como uma emergência de saúde pública internacional e aumentou o risco para "muito elevado".

/ SS