A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, admitiu, nesta sexta-feira, que existe, neste momento, "uma enorme pressão sobre as unidades de saúde pública", motivo pelo qual, "a partir da próxima semana", alunos do último ano de Enfermagem vão reforçar as equipas de saúde pública para a realização de inquéritos epidemiológicos.

É óbvio que, neste momento, existe uma enorme pressão sobre os serviços de saúde pública. Estamos com muitos doentes, muitos casos e a investigação epidemiológica implica que por cada caso que é encontrado e diagnosticado se vá à procura dos seus contactos. E esses contactos têm de ser divididos em dois grupos: contactos de alto risco, que ficam em isolamento profilático; e contactos de baixo risco, que não precisam de ficar em isolamento, mas devem cumprir medidas de distanciamento social e higiene. É uma carga enorme de trabalho, porque para cada doente é preciso uma investigação epidemiológica apurada", explicou, na conferência de imprensa de balanço da situação epidemiológica em Portugal.

Devido à atual situação, e numa altura em que os novos casos de covid-19 não param de aumentar, o Ministério da Saúde pediu ao Ministério do Ensino Superior para que os alunos do último ano do curso de Enfermagem possam integrar as equipas de saúde pública, sob supervisão dos professores.

Está a ser feito um reforço das equipas de saúde pública. Houve um contacto do Ministério da Saúde ao Ministério do Ensino Superior para que, através das escolas de enfermagem, os alunos dos últimos anos, acompanhados dos seus professores, possam fazer estágios nessas unidades de saúde publica, recebendo treino, numa primeira fase da DGS, para ajudar as equipas de saúde pública, sempre com supervisão, a fazer os inquéritos epidemiológicos e a detetar os contactos o mais rapidamente possível, isolá-los e acompanhá-los", especificou.

Graça Freitas reiterou que "há, de facto, uma grande pressão", mas que estão ser "tomadas medidas para reforçar as equipas de saúde pública, com mais gente, mais capacidade de fazer inquéritos e mais rapidamente", sendo que "as pessoas quando ficam em casa também têm de ser acompanhadas"

É uma carga grande de trabalho", repetiu.

No entanto, a diretora-geral da Saúde especificou que, "por enquanto", ainda não perderam o controlo das cadeias de transmissão.

Ainda conseguimos encontrar na primeira fase em que se faz o inquérito pelo menos 60% das pessoas que conseguem ainda dizer a partir de quem é que contraíram a doença. E depois quando aprofundamos mais ainda aumenta este número. Neste momento, ainda conseguimos saber quem contagiou quem, o que é um dado positivo, ainda que a situação seja preocupante", indicou.

1.683.000 downloads da App STAYAWAY COVID 

O secretário de Estado da Saúde, Diogo Serras Lopes, presente na conferência, indicou, ainda, que, até ao momento, foram já realizados 1.683.000 milhões de downloads da aplicação STAYAWAY COVID, com 179 códigos inseridos.

Portugal registou hoje, e pelo terceiro dia consecutivo, um recorde de casos diários de covid-19.

Recorde-se que o Governo anunciou a proposta de obrigatoriedade de descarregamento desta aplicação, medida que terá de ser aprovada pela Assembleia da República, depois de ter elevado o nível de alerta em Portugal para Situação de Calamidade devido à pandemia de covid-19.

DGS revê autorização para presença de público em eventos desportivos

A DGS está a rever a autorização para a presença de público em eventos desportivos, em especial nos grandes prémios de Portugal de Fórmula 1 e MotoGP, admitindo a sua redução.

A DGS está a rever a programação em termos de público nos eventos desportivos, em função da evolução da situação epidemiológica e da região do país [onde se vão realizar], que não é uniforme”, disse Graça Freitas.

A presença de espetadores em espetáculos desportivos está, assim, “a ser equacionada conforme a zona do país”.

“Sempre disse que todas as situações de público em eventos desportivos tinham a ver com tipo de evento e a situação epidemiológica. Neste momento, ambas as questões estão a ser equacionadas consoante a região do país e incidência de casos nessa região”, reforçou a diretora-geral da Saúde.

A DGS já tinha dado parecer favorável, mas sem estabelecer números, à presença de público no Grande Prémio de Portugal de Fórmula 1, que se vai realizar entre 23 e 25 de outubro, no Autódromo Internacional do Algarve, em Portimão, com capacidade para perto de 100.000 espectadores.

Catarina Machado