Cerca de 1.500 pessoas estiveram concentradas junto à praça de touros do Campo Pequeno, em Lisboa, em protesto contra as touradas e a homenagem ao cavaleiro João Moura, gritando palavras de ordem como "assassinos" ou "vergonha".

O protesto foi organizado por várias associações de proteção animal, entre elas o IRA e a União Zoófila, através das redes sociais.

Em causa está o alegado caso de maus-tratos animais de que João Moura é suspeito. 

Recorde-se que o cavaleiro foi detido, em fevereiro de 2020, por suspeitas do crime de maus-tratos a animais de companhia, em Monforte, no distrito de Portalegre. João Moura era criador de galgos e foram-lhe retirados 18 animais doentes e com sinais de magreza extrema

No local, ouvem-se gritos de "assassino" contra o cavaleiro. A unidade de intervenção especial foi chamada ao local, mas não há registo de incidentes.

Os manifestantes exibem faixas e cartazes onde se leem mensagens como "Abaixo a tortura animal"; "É uma vergonha nacional"; "A minha homenagem vai para os galgos que sobreviveram ao João Moura"; "Tauromaquia não é cultura, é tortura"; "Pelo fim da tourada e maus-tratos".

E outras como: "Criminosos homenageados, e os animais esfomeados?"; "Filho de peixe sabe nadar, ou como dizem os Moura: assassinar"; "João Moura aldrabão, o teu lugar é na prisão" ou ainda "Um criminoso nunca será um herói".

Na altura, a TVI teve acesso às imagens do local onde eram mantidos os galgos do cavaleiro, momentos antes do resgate.

A associação Cantinho da Milu, que acolheu os galgos que foram retirados a João Moura em estado de subnutrição, considera esta homenagem uma "séria afronta e ofensa" para todos aqueles que cuidam de animais.

Todos nos sentimos revoltados perante o despropósito de elogiar alguém que ainda terá que responder pelas atrocidades que cometeu. Todos nos questionamos sobre o exemplo que está a ser dado à nossa sociedade", escreveu a associação na rede social Facebook.

A União Zoófila, que tem a seu cargo mais de 500 cães e quase 200 gatos, também ficou "em choque com a homenagem indigna" ao cavaleiro.

Manifestamos veementemente a nossa condenação por tão indigna homenagem. Apelamos a toda a sociedade civil que se indigne como nós. Que manifestem também a vossa indignação. Que se façam ouvir. Por eles", apelou a associação na sua página de Facebook.

Rafaela Laja