O funeral de Valentina realizou-se esta terça-feira à tarde, no cemitério do Bombarral. A mãe da criança sentiu-se mal durante a cerimónia, foi assistida no local e teve de ser conduzida ao hospital.

O carro funerário que transportou o corpo de Valentina, e onde seguia a mãe, foi acolhido por muitas pessoas, com balões e flores.

Um último adeus marcado ainda por aplausos, mas também por gritos de revolta dos populares.

Por causa das restrições impostas pela pandemia, apenas os familiares puderam assistir ao enterro no cemitério.

Valentina, de nove anos, foi encontrada sem vida num eucaliptal, em Peniche, a cerca de cinco quilómetros da casa de Atouguia da Baleia, onde estava a morar com o pai e a madrasta, os principais suspeitos da sua morte.

O relatório preliminar da autópsia revelou que Valentina terá sofrido uma morte violenta, com agressões e sinais de asfixia.

Entretanto, o pai e a madrasta já foram ouvidos no Tribunal de Leiria.

Redação