O primeiro lote das vacinas contra a covid-19, desenvolvida pela Pfizer-BioNTech, já chegou a Portugal, à zona de Coimbra, e foram escoltadas pela Guarda Nacional Republicana (GNR). 

Para dar os detalhes mais técnicos deste processo, Rui Santos Ivo, presidente do Infarmed, garantiu que as pessoas "podem ficar tranquilas", uma vez que houve "um conjunto de procedimentos de verificação" das condições da vacina. 

Há um conjunto de procedimentos de verificação, no fundo de identificação das vacinas que chegaram, das quantidades, da sua conformidade e, portanto, é esse processo que tem estado aqui a decorrer. O Infarmed hoje acompanhou esse processo aqui nas instalações onde [as vacinas] estão armazenadas", disse aos jornalistas. 

Garantiu que os armazéns de refrigeração em Montemor-o-Velho, onde se encontram armazenadas as vacinas, têm todas as condições para as manter a 80 graus negativos, mas ressalvou que aquelas que começarem a ser encaminhadas para as unidades hospitalares, poderão iniciar o seu processo de descongelação "em função dos 'timings' que estão previstos para essa entrega".

As pessoas podem ficar tranquilas porque estamos a assegurar todas as condições", acrescentou. 

VEJA TAMBÉM:

No total, são 9.750 doses destinadas aos profissionais de saúde dos centros hospitalares universitários do Porto, São João, Coimbra, Lisboa Norte e Lisboa Central.

Os camiões refrigerados com as doses previstas para países da União Europeia (UE) saíram na quarta-feira de manhã da fábrica belga da farmacêutica norte-americana, situada em Puurs, no nordeste da Bélgica, sob fortes medidas de segurança, com dois veículos das forças policiais a escoltar cada um dos três veículos pesados depois do carregamento.

O início da vacinação, prevista para domingo, será uma iniciativa comum aos estados-membros da UE e ocorre na mesma semana em que a Agência Europeia do Medicamento (EMA) considerou segura a vacina da Pfizer-BioNTech, para a qual concedeu uma autorização “para uso de emergência”, num processo que avançou a uma velocidade inédita.

Cláudia Évora