O ministro da Educação considera que as listagens dos rankings das escolas que foram divulgadas esta quinta-feira são "redutoras".

É preciso olhar mais longe. Nós sabemos que a seriação das escolas unicamente através da avaliação do que são os exames nacionais é muito redutor", disse Tiago Brandão Rodrigues aos jornalistas.

 

A avaliação externa das escolas está condicionada por uma série de fatores como por exemplo a origem sócio-económica dos alunos, as comunidades onde estão inseridas, mas é importante o trabalho que se tem feito ao longo dos últimos anos, nomeadamente na construção de novos indicadores. O Ministério da Educação, neste trabalho de transparência, disponibilizou, por exemplo, os percursos diretos de sucesso, que nos diz como é que cada escola transforma a vida de cada um dos alunos, como é que os alunos evoluem e entendemos e conseguimos perceber quais são as escolas que melhoram o percurso de cada um dos alunos", adiantou. 

Ainda sobre os rankings, o governante sublinhou a tendência de evolução positiva no sucesso escolar dos alunos nos últimos anos e a redução de abandono escolar.

Quando analisamos as aprendizagens no ensino secundário, importa não esquecer a redução recente do abandono escolar precoce, a um ritmo ímpar no contexto europeu. Ou seja, muitos dos alunos que hoje estão no ensino secundário teriam, certamente, abandonado se esta análise tivesse sido feita há alguns anos”, sublinhou.

Os alunos mais carenciados são os que apresentam maiores dificuldades em atingir o sucesso e vários especialistas têm defendido que as escolas com maior concentração de estudantes desfavorecidos têm maior dificuldade em conseguir que os seus sejam bem-sucedidos. 

Veja também: 

RANKING: AS ESCOLAS QUE MAIS CONSEGUEM FAZER PROGREDIR OS ALUNOS

RANKING ESCOLAS: RAPARIGAS COM MELHORES NOTAS, RAPAZES MELHORES APENAS EM TRÊS DISCIPLINAS

Lara Ferin