O calendário das próximas semanas começa a ficar preenchido por uma onda de greves em vários setores de atividade e classes profissionais, com implicações em todo o país.

Esta sexta-feira ficou marcada pela greve dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar, que operam no INEM, e que exigem a revisão da carreira e melhores condições de trabalho - reivindicações que servem de mote para a convocação de greves noutros setores, desde a função pública, à saúde, educação e transportes.

Saiba quais são as datas atualizadas das próximas greves e manifestações já convocadas:

Data

Profissionais

26 de outubro a 12 de novembro

Trabalhadores CTT da Marinha Grande

28 e 29 de outubro

Funcionários Públicos nos Açores

28 a 02 de novembro

Farmacêuticos do SNS

03 a 04 de novembro

Enfermeiros do SNS

02 a 05 de novembro

Trabalhadores Transportes Rodoviários de Faro

05 de novembro

Professores e educadores

08 a 12 de novembro

Trabalhadores da Transtejo

11 a 12 de novembro

Bombeiros profissionais

12 novembro

Funcionários Públicos e Professores

22, 23 e 24 de novembro

Médicos

Trabalhadores dos CTT na Marinha Grande

A partir do próximo dia 26 de outubro, e até 12 de novembro, os trabalhadores da empresa CTT na Marinha Grande estarão em greve parcial, por falta de trabalhadores no local. A paralisação, que será de duas horas diárias, foi convocada pelo Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Correios e Telecomunicações (SNTCT), que denunciaram, à Lusa, a "necessidade urgente" de "mais cinco carteiros" naquele posto.

Funcionários Públicos nos Açores

O SINTAP/Açores (Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública e de Entidades com Fins Públicos) convocou uma greve para os dias 28 e 29 de outubro, e 02 e 03 de dezembro, contra os aumentos propostos pela União Regional das Misericórdias dos Açores (URMA) e pela União Regional das Instituições Particulares de Solidariedade Social dos Açores (URIPSSA), que não vão além de 0,1%. 

Farmacêuticos

Os farmacêuticos do Serviço Nacional de Saúde (SNS) convocaram uma greve de seis dias, que se inicia a partir das 00:00 do dia 28 de outubro e se estende até às 23:59 de 2 de novembro. Os profissionais exigem a "abertura de concursos para a progressão na carreira", a “revisão e atualização do estatuto remuneratório face às habilitações académicas e profissionais”, a “implementação atempada da residência farmacêutica” e a “negociação do diploma das direções e coordenações dos serviços”.

Enfermeiros

Os enfermeiros do SNS estarão em greve nos dias 3 e 4 de novembro, para exigir ao Ministério da Saúde uma resposta às "justas reivindicações" da classe profissional, contestando a "ausência total de diálogo" com o executivo.

Trabalhadores dos Transportes Rodoviários de Faro

Entre os dias 2 e 5 de novembro, é a vez dos trabalhadores dos transportes rodoviários urbanos da cidade de Faro que reivindicam um aumento do salário base para os 750 euros, a "revisão do tempo máximo de descanso", a "reposição das escalas de serviço e a integração total do subsídio do agente único no salário", ao contrário dos atuais 5%.

Professores e educadores

O dia 05 de novembro fica ainda marcado pela greve nacional de professores e educadores, convocada pela Federação Nacional dos Professores (Fenprof) e pela Federação Nacional da Educação (FNE), que acusam a proposta do Orçamento do Estado para 2022 de ignorar os problemas do setor, como a falta de professores, que se traduz num desgate dos docentes.

Trabalhadores da Transtejo

Entre os dias 8 e 12 de novembro, a greve dos trabalhadores da Transtejo vai afetar ligações fluviais entre as margens do rio Tejo, nomeadamente entre Cais do Sodré-Cacilhas, Cais do Sodré-Seixal, Cais do Sodré-Montijo e Belém-Trafaria. 

Bombeiros profissionais

Os bombeiros profissionais convocaram greve para os dias 11 e 12 de novembro, em protesto contra a proposta de OE2022, que, consideram, “se esqueceu completamente” da classe. Entre as reivindicações, os profissionais exigem aumentos salariais, subsídio de risco igual ao das forças de segurança, num valor de 100 euros mensais, regulamentação de todo o setor dos bombeiros e proteção civil, revisão da tabela salarial dos bombeiros sapadores, bem como 35 horas de trabalho.

Funcionários Públicos e Professores

Os profissionais da Função Pública convocaram greve para o dia 12 de novembro, por considerarem que a proposta de OE2022 não responde aos problemas do setor. Para os funcionários públicos, o aumento salarial de 0,9% previsto na proposta orçamental "não permite recuperar poder de compra, que tem sido perdido nos últimos 12 anos" pelos trabalhadores.

A FENPROF aderiu também a esta greve nacional na função pública, além da greve de professores e educadores, marcada para o próximo dia 5 de novembro, associando-se, assim, à paralisação dos funcionários públicos.

Médicos

As propostas do Governo para o Orçamento do Estado motivaram ainda uma greve geral dos médicos, convocada para os dias 22, 23 e 24 de novembro. Para este profissionais da saúde, as medidas previstas no Orçamento são "insuficientes" face às suas necessidades, e salientam a "insustentabilidade" das condições de trabalho nos hospitais.

Redação